No xadrez diário da disputa por fatias de mercado, saber usar as peças certas nos momentos adequados faz toda a diferença. Para isso, é necessário conhecimento próprio, atitude e também saber o que o mundo ao redor e o mercado estão fazendo.

Nesse sentido, a análise de concorrência surge como instrumento essencial para as empresas, fomentando a inteligência negocial por meio de avaliação de cenários, possibilitando, assim, decidir por caminhos mais positivos e seguros.

Veja mais detalhes e entenda por que é indispensável estar sempre de olho nesta análise e como pôr em prática na sua empresa!

A importância da análise de concorrência

Ganhar clientes e avançar no mercado demanda muito mais que pensar apenas nos preços. Afinal, é necessário implementar ainda uma análise de todo o contexto, para tornar a relação mais duradoura e fidelizada com os consumidores.

Assim, ao adotar essa prática como rotina permite, sem dúvida, sua empresa vai se diferenciar no ambiente corporativo. Confira a seguir as etapas necessárias para implementar a medida de maneira eficiente.

Etapas para realização da análise

Fazer a avaliação interna

Primeiramente, é necessário saber o porte da sua própria empresa e conhecer bem o perfil dos seus clientes, avaliando também quais os pontos fortes e fracos. A partir disso, você deve traçar objetivos claros para determinar aonde quer chegar.

Com isso em mente, tenha seus resultados sempre à mão para poder comparar e procure saber como é realmente visto pelo mercado e fornecedores. Sobretudo, não adianta partir diretamente para a análise do ambiente externo, sem avaliar como é o contexto interno.

Reconhecer quem são os concorrentes

O passo seguinte é identificar com quem a empresa está competindo no mercado. Veja os campos de atuação, sua localização e tipos de clientes, colocando tudo isso no papel, em uma ferramenta específica ou até mesmo em planilhas do Excel.

Observe também os chamados “concorrentes invisíveis” — aqueles que aparentemente não tem participação significativa em volumes de negócios — e, ainda, os que trabalham com produtos substitutos. Afinal, essa é uma ótima possibilidade de angariar novos consumidores.

Realizar a análise qualitativa

Concluída essa identificação, parta para a próxima etapa da análise de concorrência, que é a avaliação qualitativa destas empresas.

Nesse sentido, descubra quais são suas potencialidades e pontos a melhorar, suas estratégias, cultura, forma como são vistas pelo mercado e recursos disponíveis.

Para isso, você pode lançar mão de várias práticas, como a técnica do cliente oculto, pesquisas na internet, redes sociais, conversas com outros empresários e observação de jornais.

De posse dessas informações, alimente sua ferramenta interna de controle e desenvolva ações.

Adotar atitudes para aproveitar ao máximo a análise de concorrência

Você já sabe quem são seus concorrentes, suas formas de atuação e todas as variáveis de seus negócios. Agora, portanto, é a hora de usar essas informações a seu favor.

Separe os dados por áreas como, por exemplo, clientes, atendimento, produtos e resultados. Assim, fica muito mais simples para se propor ações e acompanhar os efeitos nesse formato.

Como você pôde ver até aqui, a análise de concorrência deve entrar na cultura de sua empresa, sendo um processo contínuo de busca por evolução, melhora de índices e resultados do negócio.

Por isso, coloque-a na sua agenda, pratique no dia a dia e avalie as questões ponderadas acima. Conseguir dar um xeque-mate nos obstáculos e se destacar perante o mercado dependerá de suas ações!

E você, tem algo para dividir com a gente sobre este tema? Deixe seu comentário!